À contragosto

À contragosto

A gente respira e vive à contragosto
Café quente
Cigarro
Sonolência inebriando a mente
Pigarro
eu acordo com os lençóis ainda guardando minha nudez
Digo olá aos pássaros
Fico puto ao queimar a língua com o café quente
A meleca nos olhos
Um pouco de frio
Escovar os dentes
à contragosto
Tudo à contragosto
Eu ainda quero mesmo a cama
Aff
Uma poesia para a eternidade
À contragosto
Relembrando do gosto dos teus lábios
Que se foram
Deixando minha vida despida de vontade
Despida de sentido
À contragosto

7 de setembro 2007

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s