Nada que eu possa amar

Nada que eu possa amar
9 de Agosto de 2007

A vida continua no mesmo lugar
A vida nua que sinto no ar
As verdades das coisas que calam nos meus sentidos
Não são exatas
O que finjo não é a verdade
e minha verdade não é real
a vida continua nua no mesmo lugar
A vida ainda não vale tanto para o homem
Nada que eu possa amar parece estar com a vida
Eu ouço tudo que posso
E vejo os homens
A vida prossegue nua no ar
como uma bailarina estrangulada

Eu não possuo grandes virtudes
Eu não sou poesia bela
Sou só o poeta que começa dizendo
que a vida está nua no mesmo lugar

nude

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s