E o Oscar vai para Diablo Cody

Este é o primeiro post que posto diante da idéia de reformular e reinventar o blog 0 Pósmoderno. Na nova visão tratarei não só da minha escrita como da Literatura em geral que me impressiona ou me cativou ao longo dos anos. Este também será o espaço de minhas influências.

O primeiro post desse novo ideal blogueiro é dedicado a uma outra blogueira: a ganhadora do Oscar 2008 de melhor roteiro: Diablo Cody

diablo cody

**********************************************************************************************

Usando um vestido estampado da grife Dior, ela recebeu das mãos de Harrison Ford o Oscar de melhor roteiro original.

Diablo é um substantivo masculino, que nesse caso dá nome a uma mulher, Brook Busey-Hunt ou Diablo Cody, tem 29 anos e é formada em Media Studies pela University of Iowa. Entediada com seu trabalho na publicidade, começou um blog. Primeiro sobre uma secretária, sua primeira personagem; depois sobre a vida de casada e suas aventuras em Minneapolis, onde descobriu uma nova profissão – a de stripper – e um novo assunto para blogar. Depois de escrever Juno, Cody foi para Los Angeles produzir um programa de TV chamado The United States of Tara com ninguém menos que Steven Spilberg.

 

Juno, comédia sobre gravidez adolescente rodada por US$ 6 milhões – barata para os padrões hollywoodianos – e que já arrecadou mais de US$ 170 milhões em bilheteria no mundo todo. Em seu discurso, Diablo agradeceu à família, “por me amarem do jeito que eu sou”. A cerimônia do Oscar teve a menor audiência dos últimos anos.

Uma garota de Chicago de Q.I. alto, família católica tradicional e que cresceu interessada em filmes de terror, rock, livros, gibis e garotos. Outro passatempo eram as conversas telefônicas repletas de metáforas com as amigas – usando um telefone em forma de hambúrguer, como o que se vê em Juno. Terminada a universidade, ela conheceu, pela internet, seu futuro marido, o designer gráfico Jonny Hunt, com quem se casou em 2002.

No ano seguinte, eles se mudaram para a fria Minneapolis, onde Brook assumiu uma vaga de secretária numa agência de publicidade. Num rompante de rebeldia, decidiu aparecer, duas noites por semana, num clube de strippers e relatar sua experiência num blog de nome impublicável. Para manter a privacidade na blogosfera, tirou da música “El Diablo”, da banda Duran Duran, inspiração para uma nova identidade.

Nas boates em que trabalhou durante um ano, Diablo se apresentou sob os pseudônimos Bonbon, Roxanne e Cherish. O começo foi difícil. Seus traços eram considerados “agressivos” para uma stripper, e ela estava acima do peso. “Muitas de minhas colegas eram lindas e tinham corpo de gazelas”, diz. “Havia uma que era a cara da Gisele Bündchen, com o mesmo traseiro minúsculo. Jamais pensei que conseguiria ganhar um tostão com esse tipo de concorrência!”

Diablo aprendeu o ofício rapidinho. Botas brancas e peruca loura chamavam a atenção da clientela (“Todo homem deseja uma sueca”, diz). Os cachês variavam entre US$ 20 e US$ 90 – este último para a bed dancing, na qual a stripper simula o ato sexual durante três minutos sobre o cliente, que fica deitado numa cama em um cubículo privativo. Metade dos ganhos ficava com a gerência. Na manhã seguinte, batente normal na agência de publicidade. E nas horas vagas ainda conseguiu um bico de operadora de tele-sexo.

Descoberto por um caçador de talentos de Los Angeles, o blog de Diablo virou livro. Candy Girl saiu em 2006 e despertou curiosidade na imprensa americana, levando-a até o programa do apresentador David Letterman, onde ela declarou que, “hoje em dia, tudo é uma espécie de prostituição”. A idéia para um roteiro de cinema se tornou viável, e ela escreveu sobre uma adolescente falastrona que fica grávida e contempla a idéia de doar legalmente seu bebê para um casal de classe média alta criar. O texto entusiasmou o cineasta Jason Reitman (de Obrigado por Fumar), que decidiu dirigir o filme. “Diablo é a única voz atual capaz de se equiparar à de Quentin Tarantino.”

O sucesso de Juno abriu as portas para Diablo em Hollywood. Steven Spielberg encomendou um roteiro para uma série de TV sobre uma mulher suburbana de múltiplas personalidades. Ela também já vendeu duas novas idéias de filmes – um deles de terror, sobre uma garota canibal. A fama transformou sua vida particular. Em dezembro, ela se separou do marido. Dois dias depois de receber o Oscar, fotos dela em poses sensuais se alastraram pela internet. “Minha vida está um caos, mas estou tentando me reorganizar para voltar a escrever mais histórias sobre garotas. Afinal, nós merecemos uma exposição maior e mais inteligente em Hollywood.”
************************************************************************

Ela foi se cansando daquilo, até resolver abandonar tudo. Achou que era hora de cuidar do marido e dos dois gatos, Ernie e Douchepacker. E então começou a escrever um livro sobre sua experiência no mundo noturno e especialmente do strip-tease.

O livro, “Candy Girl: A Year in the Life of an Unlikely Stripper” (algo como “Garota Doce: Um Ano na Vida de uma Stripper Improvável”), tornou-se um fenômeno de venda. Diablo ficou famosa, deu entrevistas para jornais, revistas e televisão – participando do concorrido Late Show with David Letterman, em março de 2006. Empolgada com a idéia de escrever, passou a trabalhar no roteiro de um filme. Daí surgiu “Juno”, sobre uma adolescente pega de surpresa com uma gravidez não planejada; diante de tal problema, Juno toma uma decisão incomum e ligeiramente bizarra.

“Juno” é a estréia, portanto, de Diablo Cody como roteirista. Recebeu uma indicação para o Globo de Ouro 2008. A divisão da DreamWorks para TV contratou Diablo para trabalhar ao lado de Steven Spielberg. Diablo assina o roteiro e a produção executiva da série “The United States of Tara”. Além disso, escreveu mais três roteiros que serão filmados em 2009: “Jennifer’s Body”, “Girly Style” e “Burlesque”. A América é realmente a Terra das oportunidades.

Ela escrevia para um jornalzinho semanal enquanto era stripper. Aí passou a escrever para a revista Jane, finada, e chegou a assinar uma coluna na Entertainment Weekly, que era rotacionada com, por exemplo, Stephen King.

****************************************************

“Não, não, nunca fui dançarina. Eu era stripper. Infelizmente, não consigo dançar. Adoraria, mas… Olha, vocês podem me lembrar que fui stripper, não é um problema”

*****************************************************************************

´´Olha, vocês [jornalistas] podem me lembrar que fui stripper, não é problema. Eu nunca me envergonhei de ser stripper e entendo que vocês tenham curiosidade. É meu passado, minha história. E hoje estou aqui recebendo o Oscar. Eu sou quem eu sou. Tudo se completa. Hoje tenho outra profissão, mas me lembro bem de onde eu vim.“

´´Não, não, imagine, eu nunca escreveria um filme sobre minha vida. Seria tão bobo que não acreditariam que sou eu.“

´´Agora eu quero escrever. É um grande prazer, vocês não têm idéia. Ganhar prêmio me deixa muito feliz e incentivada, mas a principal alegria foi fazer o filme, vê-lo pronto, na tela. É essa alegria que quero viver mais vezes.“

###########################################################################

Segundo o site Hollywood.com, a ascensão da escritora Diablo Cody começou graças ao blog The Pussy Ranch, em que postava crônicas sobre suas aventuras como stripper profissional. Seus posts caíram no broswer do editor de Hollywood Mason Novick, que convenceu-a a, aos 24 anos, escrever um livro sobre suas memórias, chamado Candy Girl: A Year in the Life of an Unlikely Stripper. Depois do livro lançado, Novick encomendou um roteiro para o cinema, o de Juno.

Anúncios

Um pensamento sobre “E o Oscar vai para Diablo Cody

  1. Felina disse:

    preciso ver esse filme

    rapaz que post enooooooorme

    bjoooooo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s