Thomas Pynchon

Thomas Ruggles Pynchon, Jr. (Long Island, 8 de Maio de 1937) é um dos mais originais escritores norte-americanos vivos. Famoso por criar livros longos e complexos – às vezes com centenas de personagens e dezenas de histórias paralelas -, ele é um dos principais expoentes do romance pós-moderno, juntamente com William Gaddis, John Barth, Donald Barthelme, Don Delillo e Paul Auster.

Ganhador do National Book Awards, seu nome é constantemente citado como concorrente ao Prêmio Nobel de Literatura. Em 1988, foi premiado pela Fundação MacArthur. O crítico literário Harold Bloom nomeou Pynchon um dos quatro romancistas anglófonos “canonizáveis” de seu tempo – ao lado de Don DeLillo, Philip Roth e Cormac McCarthy.

Sua ficção abrange diversos campos, como física, matemática, química, filosofia, parapsicologia, história, mitologia, ocultismo, música pop, quadrinhos, cinema, drogas e psicologia, unindo-os de maneira picaresca, humorística, absurda, poética e sombria. A preocupação central da obra de Pynchon é explorar a acumulação e a inter-relação entre estes diferentes conhecimentos, que resultariam em uma realidade entrópica tangível apenas pela paranóia. Ele também é conhecido pela reclusão em que vive, o que gerou diversos rumores sobre sua real identidade. Nunca concedeu entrevistas e as únicas fotos conhecidas dele datam de sua juventude.

Pynchon terminou o ensino básico na Oyster Bay High School com honras acadêmicas em 1953. Passou então a freqüentar o departamento de Engenharia da Universidade de Cornell, uma das universidades da Ivy-League, mas abandonou o curso no segundo ano para juntar-se à marinha americana. Em 1957, retorna a Cornell para cursar Inglês. Seu primeiro conto, “A Small Rain”, foi publicado através da revista literária da universidade, Cornell Writer, na qual ele era editor-sênior, em maio de 1959, mesmo ano em que se formou.

Passou então a escrever seu primeiro romance, enquanto trabalhava como escritor técnico para a Boeing. V., seu livro de estréia, foi publicado em 1963 e ganhou o prêmio de melhor romance do ano da Fundação William Faulkner. Em 1989 recebeu o prêmio da Fundação MacArthur.

A partir da publicação de seu terceiro e mais famoso livro, O Arco-Íris da Gravidade (1973), Pynchon tornou-se notório por sua fuga da exposição pública. Poucas fotos suas são conhecidas. Antes de Mason & Dixon ser publicado em 1997, ele foi localizado e filmado pela CNN. Irritado com essa invasão de privacidade, Pynchon concordou em dar uma entrevista em troca do filme ser mantido em segredo. Quando questionado sobre sua natureza reclusiva, respondeu “Acho que ‘recluso’ é uma palavra-código usada por jornalistas, e significa ‘não gosta de falar com repórteres'”.

Pynchon vive em Manhattan com sua mulher e agente Melanie Jackson e seu filho Jackson Pynchon.

A gama de influências de Pynchon é enorme, mas é possível perceber ao menos algumas principais.

  • No início de sua carreira, o estilo fluente e coloquial apresenta fortes traços da geração beat.
  • Tanto em V. quanto em O leilão do lote 49 existem personagens que remetem às transformações comportamentais ocorridas em meados do século XX – como “A Turma Muito Doida” ou a banda inglesa “Os Paranóicos”.
  • A cultura do jazz – explicitada no bar “V Note”, de V. e nas diversas referências a Thelonious Monk em Against the Day.
  • Em O Arco-Íris da Gravidade ainda se percebe ecos de William S. Burroughs (especialmente no que se refere às situações absurdas e à “Zona”), mas o estilo denso da prosa e a pretensão universalista da narrativa apontam para James Joyce e seu Ulisses.
  • Boa parte da caracterização psicológica dos personagens de O Arco-Íris da Gravidade leva em conta estudos sobre a obra de Jung e Pavlov.
  • As elipses de enredo lembram William Gaddis e seus diálogos cegos.
  • V. (1963), vencedor do prêmio da Fundação William Faulkner – no Brasil, editado pela Paz & Terra
  • O Leilão do Lote 49 (1966), vencedor do prêmio da Fundação Richard e Hilda Rosenthal – no Brasil, editado pela Cia das Letras. Atualmente, fora de catálogo.
  • O Arco-Íris da Gravidade (1973), National Book Award de ficção, escolha unânime do Prêmio Pulitzer recusada pela banca de organizadores, William Dean Howells Medal da American Academy of Arts and Letters em 1975 (recusado) – no Brasil, editado pela Cia das Letras.
  • Slow Learner (1984), coleção de contos – não existe edição em português.
  • Vineland (1990) – no Brasil, editado pela Cia das Letras
  • Mason & Dixon (1997) – no Brasil, editado pela Cia das Letras.
  • Against the Day (2006) – não traduzido

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s